Reciclar por Dentro e por Fora

* Beto Colombo

Querido leitor, aceite o meu fraternal abraço. O tema hoje é reciclar. Reciclar, como o próprio nome diz, é recolocar no ciclo, é reinserir algo que poderia estar fora no ritmo da vida. No cantar da música “Ciclo sem Fim”, do filme Rei Leão: “É o ciclo sem fim, que nos guiará, a dor e a emoção, pela fé e o amor. Até encontrar, o nosso caminho neste ciclo, neste ciclo sem fim”.

Como é divulgado já na tenra idade escolar, na reciclagem com visão global, trabalha-se hoje como os três “R”, que são: reduzir, reutilizar e reciclar. Ou seja, o foco é sempre no pensar globalmente, agir localmente; pensar localmente, agir globalmente.

Reduzir, portanto, significa como o próprio nome já diz, diminuir a quantidade de lixo residual que produzimos. Os consumidores podem começar a adotar hábitos de adquirir produtos que sejam reutilizáveis, como exemplo: guardanapos de pano, sacolas retornáveis, embalagens reutilizáveis para armazenar alimentos ao invés dos descartáveis.

Quando se fala em reutilizar, sugere-se utilizar várias vezes a mesma embalagem. Com um pouco de imaginação e criatividade pode-se aproveitar sobras de materiais para outras funcionalidades, como por exemplo: garrafas de plástico/vidro para armazenamento de líquidos e recipientes diversos para organizar os materiais de escritório.

Finalizando o terceiro “R”, chegamos ao reciclar, que é transformar o resíduo antes inútil em matérias-primas ou novos produtos. É um benefício tanto para o aspecto ambiental como energético. Em resumo, é colocar na cadeia econômica o que antes era considerado lixo. Aqui vale uma pergunta: que lixo é este onde muitas famílias e empresas vivem dele?

Agora ouvimos que a prefeitura de Criciúma (SC), por intermédio da Fundação Municipal de Meio Ambiente, assim como muitas em Santa Catarina e no Brasil, vai alastrar a coleta seletiva de lixo ainda mais na cidade. A ideia, de acordo com o governo municipal, é atingir pelo menos a metade da população. Palmas para a iniciativa! Não sei se atrasada ou adiantada, afinal de contas, é melhor tarde do que tarde demais.

A reciclagem é um dos processos de conscientização do ser humano que busca um alinhamento ecossustentável, pois inicialmente vem a informação que o leva a ter um conhecimento. Quando este conhecimento é colocado em prática, geralmente surge a consciência.

Geralmente é no caminho que a gente aprende. Portanto, a consciência de que algo pode levar para outras consciências. Assim, espera-se, quando começarmos a fazer maciçamente a reciclagem externa do lixo, isso pode nos levar a um aprendizado tão profundo, que é a reciclagem interna. Assim, talvez, poderemos reciclar melhor nossos pensamentos, nossas falas, nossas leituras, filmes, companhias, enfim, poderemos reciclar nossas existências.

E reciclar, revisando, é colocar no ciclo da vida algo que estava fora dela: Quem sabe, até encontrar o nosso caminho neste ciclo, neste ciclo sem fim.

É assim como o mundo me parece hoje. E você, está em que nível de reciclagem?

* Empresário, Filósofo Clínico, Diretor Presidente da Anjo

Compartilhar
Esta entrada foi publicada em Artigos. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *