Anjo Tintas lança AnjoEon, uma linha de tintas inovadora para o mercado de impressão

A AnjoEon, uma inovadora linha de tintas para impressão, foi lançada pela Anjo Tintas visando aumentar a produtividade dos clientes de impressão. Essa é a primeira tinta flexográfica de alta performance universal do Brasil e sua base é feita com solventes propílicos, permitindo sua utilização em variados tipos de embalagens, garantindo maior rendimento, brilho e resistência em comparação com as tintas do mercado. Com a AnjoEon, foi iniciada a era do Non Stop Print, tornando obsoleto o set-up com troca de linhas de tintas entre sessões de impressão.

O Diretor Executivo da Unidade B2B, Juliano Justi, conta que a iniciativa da Anjo em colocar no mercado a AnjoEon foi pensando nos clientes da linha impressão. “Queremos fazer com que o desempenho e a produtividade em nossos clientes aumente consideravelmente e com resultados diferenciados”, destaca. Esta nova tinta resiste ao frio, umidade, ácidos lácteos, gorduras e agentes alcalinos. Além disso, possui qualidade e resistência para imprimir até mesmo nas estruturas mais complexas em embalagens.

Várias outras características diferenciam a AnjoEon. Sua composição possui uma tensão superficial que otimiza a transferência entre a tinta e o substrato, gerando economia no processo. “Esse desempenho faz da Eon a solução ideal para as avançadas tecnologias de anilox e clichês”, explica Juliano Justi. Também deve ser substituído o uso de solventes etílicos por propílicos de alta tecnologia, proporcionando excelente secagem e redução de até 70% no uso de retardadores. Elimina o risco de blocking e gera estabilidade da viscosidade, o consumo de solventes é menor , aumenta a força de delaminação e proporciona baixo odor residual.

O Diretor Presidente, Filipe R. Colombo, reforça que o lançamento da AnjoEon é mais uma atitude da marca baseada em sua missão. “Nós estamos constantemente buscando soluções inovadoras e que aumentarão os resultados dos nossos clientes, desde melhorias na qualidade de impressão quanto aumento de produtividade, rendimento e lucratividade”, conclui.

 

Esta entrada foi publicada em Artigos. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *