Mente Natural

IMG_8010* Mhanoel Mendes

Desde que conheci o budismo, um tema que muito me fascina – dentre muitos – é o conceito (conceito?) de mente natural, de mente búdica. De acordo com ele, temos uma mente natural, pura, onde repousa a essência do ser humano e a verdadeira face da felicidade. Contudo, nos perdemos dela nesta grande existência ilusória (Maya), que é o Samsara.

Recentemente recebi um pequeno grande livro de presente, intitulado “Introdución a la mente natural” que me deu alguns sinais e sugeriu alguns caminhos para ir ao encontro desta mente natural. Degustando cada uma das 46 páginas, deparei-me com o segundo capítulo: “Os sete pontos de treinamento da mente natural”. O que passo mencionar agora, um por um.

No primeiro ponto, a sugestão de “Considerar todos os fenômenos como sonhos”. Fazendo isso, considerando todos os fenômenos como sonhos, nós não nos fixaremos com eles e caminharemos mais livres. “Tu te convertes no que tu pensas, por isso, tudo o que aparece, deixe ir e experimente a liberdade”.

O segundo ponto traz um tema essencial para a felicidade: ser agradecido a todos. “Se queres estar livre do karma, deves estar livre de ressentimentos, ódio”. Em vez disso, a sugestão é transformar estes sentimentos, ou seja, sejamos agradecidos com tudo. Inclusive com as dificuldades, desafios e perdas.

Já no terceiro ponto, surge a busca da harmonia interna e externa, onde o ensinamento é: não te deixes influenciar por circunstâncias externas. “Quando somos capazes de manter nossa harmonia interna sem ser influenciado com o que passa no exterior, então estamos cunhando nossa disciplina. E, ao não reagir as circunstâncias externas, estamos diminuindo a criação de karma negativo pra nós e para os outros”.

Chegamos ao quarto ponto. Neste, o foco é para não ressaltar as faltas, as falhas dos outros. Ao ressaltar os defeitos dos outros temos um atrativo para projetar a culpa fora de si mesmo e, assim, evitamos de assumir a nossa responsabilidade. Bárbaro!

No quinto ponto, a sugestão é explorar a natureza da consciência por nascer. Agindo assim, poderemos olhar a nós mesmos e perceber como somos autores do próprio sofrimento e, assim, tomar uma responsabilidade mais profunda por um mundo unificado, sem fragmentação.

Chegamos ao penúltimo ponto: ”Tenha uma mente alegre o tempo todo”. Agindo assim, significa que a pessoa compreendeu que os fenômenos são como sonhos e que, por isso, poderás experimentar a mente mais estabilizada.

No sétimo ponto, o destaque é para não esperar ser reconhecido, aplaudido ou ovacionado. Até porque isso não importa, pois, se realmente estamos fazendo o melhor que podemos, então isso é tudo o que conta. É dar o desinteressado o amor verdadeiro.

 * Jornalista, agricultor, jardineiro, psicólogo, escritor e peregrino – www.oikos.org.br

Compartilhar
Esta entrada foi publicada em Artigos e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta para Mente Natural

  1. Emerson disse:

    Maravilha de artigo. Muito Grato por compartilha-lo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *