Viver sem Medo

DSC_2018* Mhanoel Mendes

Medo, ah o medo. Motivo de tantas discussões, terapias, debates e tratados.

Para alguns, o medo paralisa, é patológico e, assim, deve ser tratado. Para outros, o medo traz insegurança, taquicardia, sudorese e, mesmo assim, as pessoas se movimentam e vão fazer o que verdadeiramente deve ser feito.

Medo, praticamente todos os seres humanos têm. Ele só não deve é paralisar. Se isso ocorrer deve ser tratado, se não, aquela porta ficará sempre ali.

Pesquisando um pouco mais sobre este tema infindável, encontrei o livro “Viva sem medo – Como revelar a sua força espiritual interior”, do mestre indiano Paramahansa Yogananda. Aqui, ele dá a versão de uma fábula tradicional do oriente que repasso agora ao meu querido leitor.

Diz ela: “Enquanto meditava, tarde da noite, um santo viu o fantasma da temível doença da varíola entrando na aldeia em que vivia, e exclamou:

– Pare, sr. Fantasma! Vá embora. Não deve molestar a cidade em que cultuo a Deus.

O espectro respondeu:

– Só levarei três pessoas, de acordo com meu dever cósmico determinado pelo karma.

Ao ouvir isso, o Santo consentiu com tristeza.

No dia seguinte, três pessoas morreram de varíola.

Contudo, um dia depois, mais pessoas morreram, e a cada dia outras mais eram vencidas pela temerosa doença. Considerando-se vítima de um grande engodo, o santo meditou profundamente e invocou o fantasma. Quando ele chegou, o santo comentou:

– Sr. Fantasma, o senhor me enganou e mentiu quando disse que só levaria três pessoas com sua varíola.

Mas o espectro respondeu:

– Em nome do Grande Espírito, eu lhe falei a verdade.

O santo insistiu:

– O senhor prometeu levar apenas três, mas um grande número de pessoas sucumbiu à doença.

– Só levei três – disse o fantasma . As outras deixaram-se morrer por causa do medo”.

É uma fábula, mas atual e verdadeira para nossos dias.

De que você tem medo?, pergunta Yogananda. “Você é um ser imortal. Não é homem nem mulher, como talvez acredite, mas é alma, jubilosa e eterna”.

Rogo sinceramente que este artigo possa fazer você refletir sobre o medo e que em 2015 você viva mais destemido. Afinal de contas, corajoso é aquele que, apesar do medo, vai lá e faz que tem que ser feito.

* Agricultor, jornalista, jardineiro, psicólogo, escritor e peregrino – www.oikos.org.br

Compartilhar
Esta entrada foi publicada em Artigos e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *