Idade Emocional

artigo309* Beto Colombo

Querido leitor, você provavelmente já ouviu falar, muitas vezes, que o animal que mais demora para amadurecer é o ser humano. É claro que esse amadurecimento envolve todo um processo que abrange o sistema nervoso central, ou seja, as questões neurológicas. Também não podemos deixar de trazer as questões físicas e até as emocionais. E é nessa parte, no amadurecimento emocional do ser humano, que quero me ater hoje.

A primeira pergunta a ser feita é: quantos anos você tem? A resposta não deve considerar idade cronológica nesta existência, que compreende, para alguns, desde o momento da sua geração até os dias de hoje. Essa conta é muito fácil de ser respondida, para chegar ao número basta conhecer um pouquinho de matemática.

Falo da idade emocional. Refiro-me da capacidade de enfrentar os “não” nossos de cada dia, de enfrentar o sentimento de desprezo em determinadas situações e locais, da capacidade de administrar perdas, sejam elas de namorada ou namorado, de emprego, de uma nota baixa na escola, ou até uma negativa do pai de emprestar o carro. Enfim, atenho-me aos momentos em que a vida nos exige habilidades para enfrentar os fatos e, quando imaturos, acabamos por cometer erros e besteiras muitas vezes impossíveis de serem consertadas.

Lembro-me de profissionais com mestrado, doutorado e até PhD, referências em suas áreas, mas quando lhe são exigidos algo mais sobre a vida, acocoram diante do desafio, paralisam diante do inusitado e, como avestruz, escondem suas cabeças debaixo da terra. É como se quebrassem a luz vermelha acesa no painel do carro, denunciando a temperatura alta, ingenuamente querendo resolver a situação.

Aqui, nesses casos, também podemos falar sobre resiliência, que é a capacidade de enfrentar desafios, resolver problemas, enfrentar situações adversas repetidas vezes sem desânimo. Exemplos, em nossa sociedade, temos muitos de pessoas resilientes, mas parece que cada vez mais estamos tendo dificuldades de enumerar pessoas com essa característica, pois cada vez mais engrossam o caldo daqueles que já não suportam mais perder. Um bom número quer ganhar e não tem sequer paciência para isso. Se não tem paciência para criar as melhores condições de crescer, ganhar e ser melhor, que dirá saber esperar.

As organizações, a sociedade, enfim, nossa sociedade está carente de pessoas grandes e maduras. Para mim, não basta só crescer de tamanho, é fundamental nos desenvolvermos por inteiro e o desenvolvimento da idade emocional de acordo com a idade cronológica é fundamental para o ser humano. Parece-me que aprender matemática tem sido mais fácil que aprender a conviver com semelhantes. É assim como o mundo me parece hoje. E você, o que pensa sobre idade emocional?

Empresário, Especialista em Filosofia Clínica, Presidente do Conselho da Anjo Tintas.

Esta entrada foi publicada em Artigos e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *