Morre Lentamente

artigo304* Beto Colombo

Queridos leitores, paz. Hoje trago Pablo Neruda com o poema “Morre Lentamente”.

Ricardo Eliécer Neftalí Reyes Basoalto, ou Pablo Neruda, era filho de José del Carmen Reyes Morales, um operário ferroviário, e de Rosa Basoalto Opazo, professora primária, falecida quando Neruda tinha apenas um mês de vida. Ainda adolescente, adotou o pseudônimo de Pablo Neruda, inspirado no escritor checo Jan Neruda.

Fala Neruda por intermédio de seu poema: “Morre lentamente quem se transforma em escravo do hábito, repetindo todos os dias os mesmos trajetos, quem não muda de marca. Não se arrisca a vestir uma nova cor ou não conversa com quem não conhece. Morre lentamente quem faz da televisão o seu guru”.

Segue o poeta chileno seu belo escrito: “Morre lentamente quem evita uma paixão, quem prefere o preto no branco e os pingos sobre os “is” em detrimento de um redemoinho de emoções,  justamente as que resgatam o brilho dos olhos, sorrisos dos bocejos, corações aos tropeços e sentimentos”.

“Morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz com o seu trabalho, quem não arrisca o certo pelo incerto para ir atrás de um sonho, quem não se permite pelo menos uma vez na vida, fugir dos conselhos sensatos”, prossegue o poeta.

Para Neruda, “morre lentamente quem não viaja, quem não lê, quem não ouve música, quem não encontra graça em si mesmo.  Morre lentamente quem destrói o seu amor-próprio, quem não se deixa ajudar. Morre lentamente quem passa os dias queixando-se da sua má sorte ou da chuva incessante. Morre lentamente quem abandona um projeto antes de iniciá-lo, não pergunta sobre um assunto que desconhece ou não responde quando lhe indagam sobre algo que sabe”.

O poeta é poeta,  alguém que coloca seus sentimentos na ponta do lápis, na ponta dos dedos. E Neruda é um deles, um desses destacados e especiais homens do sentimento. Assim finaliza seu poema Morre Lentamente: “Evitemos a morte em doses suaves, recordando sempre que estar vivo exige um esforço muito maior que o simples fato de respirar. Somente a perseverança fará com que conquistemos um estágio esplêndido de felicidade”.

Morre Lentamente…

Refletindo um pouco sobre morte e vida, concluo: o contrário de vida, talvez não seja morte, seja renascimento. Ao invés de morrermos lentamente, ainda nos é dada, pelo livre arbítrio, a chance de renascermos lentamente, a cada manhã, a cada dia, a cada encontro, a cada artigo.

É assim como o mundo me parece hoje. E você, morre ou renasce lentamente a cada dia?

Empresário, Especialista em Filosofia Clínica, Presidente do Conselho da Anjo Tintas.

Compartilhar
Esta entrada foi publicada em Artigos e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *