Palavra Sincera

artigo266* Beto Colombo

Querido leitor, paz! Hoje vamos refletir sinceramente sobre a palavra sincera. A palavra “sincera” foi criada pelos Romanos. Foi cunhada a partir da fabricação de certos vasos feitos com uma cera especial, tão dura e perfeita que os utensílios se tornaram transparentes. Uma rara criação e uma beleza incomparável.

Em alguns casos era possível distinguir os objetos guardados no interior do vaso: pedras, água, flores. Para um vaso assim, fino e límpido, diziam os romanos:

– Como é lindo! Parece até que não é feito de cera.

“Sine cera” queria dizer “sem cera”, ou seja, uma qualidade de vaso perfeito, finíssimo, delicado, que deixava ver através de suas paredes. Com o tempo, o vocábulo “sine cera” transformou-se em sincero e passou a ter um significado relativo ao caráter humano. Sincero, portanto, é aquele  que é franco, leal, verdadeiro, que não oculta, que não usa disfarces, malícias ou dissimulações.

A pessoa sincera assemelha-se ao vaso romano que se deixa ver através das palavras os nobres sentimentos do coração. Assim, esta bonita metáfora do vaso nos liga a virtude da sinceridade em nossos corações. Sim, pois na forma de potencialidade ela está lá aguardando o momento em que iremos despertá-la e cultivá-la em nossos dias.

Geralmente, o sincero conquista a confiança de todos e,  por consequência, seu respeito e amor. Proponho nesse artigo que sejamos sinceros em nossos.

É assim como o “sine cera” me parece hoje. E você, como vivencia a sinceridade?

Empresário, Especialista em Filosofia Clínica, Presidente do Conselho da Anjo Tintas.

Compartilhar
Esta entrada foi publicada em Artigos e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *