Acelerador e Freio

DSC06020* Beto Colombo

Querido leitor, aceite o meu caloroso e fraternal abraço. Hoje sugiro uma reflexão sobre o acelerador e o freio. O automóvel foi inventado no início do século passado e esse avanço só pode ocorrer após outra invenção revolucionária da humanidade, que foi a máquina a vapor. Até chegarmos aos dias de hoje, onde encontramos carros com avanços tecnológicos de última geração, o automóvel passou por transformações que foram do design até potência do motor, que foram de acessórios até cores para todos os gostos.

Mas, desde o início, algumas características e peças dos automóveis não foram mudadas. Falo do freio e do acelerador.  Com o tempo, os carros deixaram, por exemplo, de ter embreagem, mas freio e acelerador estiveram e estão desde o início.

A metáfora em nosso artigo de hoje serve para refletirmos sobre nosso cotidiano, sobre nossas existências e experiências. O corpo pode ser a parte física do automóvel, com cabine, motor e combustível. Um automóvel sem um motorista responsável, pode se transformar em uma arma contra pessoas muitas vezes indefesas, a começar pelo próprio condutor.

Há pessoas que cuidam dos seus carros, tanto quanto cuidam de si, alguns até melhor. Vão mais com frequência revisar os freios, o motor do carro do que fazer um check up do corpo.

Seguindo com esta reflexão, todo carro tem acelerador e este serve para os momentos propícios. Uma tarefa urgente, uma viagem, uma emergência. É sempre bom lembrarmos que temos esta liberdade de acelerar, mesmo que possa transgredir as leis que regulamentam a forma que temos de andar.

Mas também vale lembrar que além do acelerador, todo automóvel tem o freio. Ele deve sempre ser acionado quando a velocidade está muito alta, quando a vida está correndo muito rápida lá fora, quando algo se apresenta ali na frente como perigoso. E olha que além do freio de pé, para garantir, ainda temos o freio de mão.

Talvez neste verão possamos ter um momento de, se não der para parar, pelo menos de diminuir a velocidade e curtir a paisagem.

É assim como o mundo me parece hoje. E você, como se relaciona com o freio e o acelerador?

* Empresário, Especialista em Filosofia Clínica, Presidente do Conselho da Anjo Tintas.

Esta entrada foi publicada em Artigos e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *