Sim-quenta anos

DSC00576* Mhanoel Mendes

No próximo dia 25 de dezembro vou fazer aniversário, completarei 50 anos. Ou, como alguns dizem: cinco ponto zero.

Lembro-me de quando era criança e olhava pra frente, pensava que quem chegasse ao 40 anos já tinha vivido bastante, que dirá aos 50. Nossa, isso era uma eternidade.

Agora, neste momento, me vejo comemorando minhas bodas de ouro. E o mais impressionante é que já não concordo com aquela criança que fui, onde avaliava que quem alcançasse 50 anos já teria vivido muito.

Se é como alguns dizem, a vida começa aos 40. Então, não tenho 50, tenho 10 anos e estou saindo da segunda infância e entrando na segunda puberdade. Depois vem a segunda juventude, a segunda adultice, a segunda terceira idade e, quem sabe quando, a passagem para outra existência.

Com 50 anos, já não ouço como ouvia, já não enxergo como enxergava, enfim, já não faço tantas coisas como fazia. Está tudo certo. Em compensação, já não cometo tantos erros infantis como cometia. Avançar na idade, às vezes, traz grandes benefícios.

Fazendo uma retrospectiva de tudo o que ocorreu pessoal e profissionalmente, me vem uma paz porque concluo que, se fosse necessário, percorreria todo caminho novamente. Trilha por trilha, ponte por ponte, escada por escada, pois foi passando por lá que cheguei até aqui.

Avisei ao meu corpo que pretendo passar para outra existência aos 100 anos e que, agora, nesta segunda fase desta minha passagem por esse plano, também tenho muitos projetos. Um deles é refazer o caminho de Santiago com o amigo e irmão Beto Colombo aos 88 anos; quando tínhamos 44 anos trilhamos juntos este milenar caminho. Beto e eu não falamos como vamos peregrinar e nem quanto vamos percorrer, mas, do nosso jeito, vamos caminhar rumo à casa do Santo aos 38 anos desta segunda parte.

Hoje, já não sou mais aquele menino, aquele jovem e até mesmo aquele adulto; percebo-me muito diferente. Melhor? Pior? Não sei dizer, mas tenho certeza de que sou diferente. Por isso, evito  julgar, que dirá julgar aquele que fui a partir de quem sou. Só acolho.

Que venha a segunda parte desta minha existência. A acolho de braços e coração abertos acreditando como nunca, que serão tão promissores em frutos, quanto a semente que trouxe umedecida em mim até aqui.

Sim, bem-vindo sim-quenta anos!

* Escritor e psicólogo – www.oikos.org.br

Esta entrada foi publicada em Artigos e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta para Sim-quenta anos

  1. Laudicéia Serafim disse:

    -Gostei demais do Sim-quenta anos, pois vimos que é possivel ter uma existência sem arrependimentos,(…. percorreria todo o caminho novamente, trilha por trilha, ponte por ponte….) ter uma existência em que cada momento foi vivido no tempo certo, não estando no passado ou almejando o futuro .
    Acredito no sucesso de seus projetos para o que chamou de segunda parte de sua existência, pois SEI, que a” vida “dá pra gente , o que a gente pede para ela !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *