A Medicina e os Remédios

* Beto Colombo

Querido leitor, que você esteja bem. Hipócrates, filósofo grego, foi membro de uma família que, durante várias gerações, praticara a ciência da saúde, por isso  é considerado o pai da medicina moderna. Inclusive, é atribuída a ele a frase “que seu remédio seja o seu alimento e que seu alimento seja seu remédio”.

Quando falamos em remédio, você que lê este artigo, provavelmente deve ter lembrado daqueles que compramos nas farmácias. Mas remédio não é só isso. Algumas pessoas, ao passar na casa da mãe  e sentem aquele cheirinho de bolacha, de pão que vem do forno a lenha, este cheiro pode ser um saudoso remédio. Já para outras, o simples fato de ouvirem uma música que tem a ver com sua historicidade, pode estar se remediando. Sim!  Se estas músicas entram em seus corações acalmando, então se transformou num remédio.

Tem um conhecido meu que sente aquele cheiro adocicado do estrume de gado e logo faz um deslocamento à gostosa infância rural, hoje vivenciada na selva de pedra. Aquele cheiro, segundo ele, o leva a um lugar que ele gosta muito.

Ir à praia, para algumas pessoas, é uma espécie de remédio. Para outras, pode ser fazer uma viagem,  degustar um tinto com um amigo querido, abraçar a companheira, tomar um café com filho na cafeteria da praça numa manhã de sábado. Remédio pode ser visitar o neto, a filha, o filho, ir pescar, caminhar no mato, jogar tênis, futebol. Há tantos remédios em nossa história de vida quanto nas farmácias, às vezes, o que aconteceu é que nos esquecemos de tomá-los em doses homeopáticas. Falei isso a um amigo e ele concluiu: Então cada um de nós podemos ser nossos próprios médicos! O que você acha?

Médico é quem deveria fazer a mediação, ou medicação, entre o ser “do-ente” e o ser saudável. Embora existam também as pessoas que são doentes por remédios e até aqueles que se autoremediam.  Médico é aquela pessoa que nas culturas eram conhecidos por magos, xamãs, bruxos, curandeiros, benzedores, enfim, eram pessoas que buscavam, cada um do seu jeito, trazer as pessoas para o caminho do meio.

Uma curiosidade. Homem santo, mulher santa, não significa outra coisa senão um homem são, uma mulher sã, pessoas saudáveis. Estes seres humanos santos são entes livres de mazelas, sejam elas físicas, psíquicas ou espirituais.

Outra curiosidade. Em inglês a palavra  doença  é “disease”, onde o prefixo “dis” representa a negação e “ease” vem da palavra “easy”, que é traduzida como fácil. Assim, disease passa a ideia de que não está fácil ou não está na normalidade, necessitando então, trazer os pacientes para o caminho do meio.

Que tenhamos sabedoria e conhecimento para viver uma vida mais fácil trilhada no caminho do meio. Lembrando que isso é assim para mim hoje.

* Empresário, Especialista em Filosofia Clínica, Presidente do Conselho Consultivo da AnjoBlog Beto Colombo

Compartilhar
Esta entrada foi publicada em Artigos e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *