O Tempo Passa?

* Mhanoel Mendes

Agora que é verão, as coisas ficam mais claras e até mais fáceis de tocar; pra não aumentar o trocadilho, não vou dizer que ficam mais quentes. Na verdade, sinto que é mais didático falar dele nesta estação: refiro-me ao tempo.

Mas há tempo e tempo. Contudo, muitos de nós caminhamos na normose sem discernir um do outro. E assim, sem diferenciar o joio do trigo, estamos comprometendo a nossa própria existência pessoal, familiar e planetária. Afinal de contas tudo se transforma numa mesmice; e não é.

Pra mim e por ora, percebo que existe um clima frenético no verão, muitos tiram as roupas, mas o que se vê é um afastamento uns dos outros, ao contrário do inverno. Parece que no verão as pessoas estão juntas, mas não se encontram. Veja as multidões, mas o que há é uma grande solidão. É como se sentir solitário no Maracanã com quase 100 mil pessoas.

Uma das informações mais cobiçadas é se o tempo vai ser “bom” ou vai ser “ruim”, ou seja, com sol é bom e sem sol, seja nublado ou chuva, é ruim. Pior do que tempo bom e ruim, sem perguntar para as árvores, os agricultores e os lençóis freáticos, é a previsão do tempo. Olha que o nome já entrega tudo, “pré”, que é antes, e visão, que dispensa comentários. Parece que estamos cada vez mais entregues numa sociedade previsível; prevê-se gestos, falas, vida, prevê-se até o tempo.

De repente há pessoas que não saem de casa porque a pré-visão é de chuva. Quantos temporais vieram e não foram previstos? Quantos foram previstos e não vieram? Deste jeito, estamos ficando míopes em relação ao verdadeiro tempo, ao que realmente é.

Também nesta correria da vida pra muitos, encontro os que dizem que o tempo está correndo rápido demais. Em janeiro já tem gente sorteando o amigo secreto do final de ano porque logo logo os sinos de natal batem anunciando uma noite feliz. Será que é o tempo que passa ou somos nós que passamos?

Que nossas vidas sejam intensas e que aproveitemos nosso tempo. Afinal de contas, no dizer do Millôr, “quem mata o tempo deveria ir preso”.

* Psicólogo e escritor
www.oikos.org.br

Esta entrada foi publicada em Artigos. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *