Arquitetura para Humanidade

* Por Vania Burigo

Vivemos em nosso pequeno e confortável lugar, felizes com nosso trabalho, fazendo o melhor de nós. Mas o mundo é bem maior, e quando conhecemos alguém como o arquiteto inglês Cameron Sinclair é que temos a dimensão de como a arquitetura faz diferença na vida das pessoas.

Cameron Sinclair dirige a ONG Architecture for Humanity que realiza projetos para regiões devastadas por acidentes climáticos ou em condições de insegurança social. Suas obras já foram realizadas em 42 países e beneficiam mais de 2 milhões de pessoas. A filosofia da ONG é de incluir a comunidade em todas as etapas da obra e do projeto, participando do planejamento e da construção.

Suas obras são hospitais, clínicas, escolas, centros esportivos, habitações, entre outros, feitos com planejamento participativo da comunidade, com materiais e mão de obra local, respeitando a cultura e a identidade das pessoas. “Não trabalhamos com ego nem com logo. O ego dos nossos arquitetos nunca é maior do que nossos projetos e nenhuma empresa que nos financia aparece nas nossas construções”, explica o arquiteto.

Os projetos incluem uma pista de skate no Afeganistão, um complexo educacional no Sri Lanka e a construção de um conjunto habitacional na África do Sul. A ONG também possui  uma rede de “arquitetura aberta”, em que os projetos são colocados na internet e compartilhados, sem cobrar direitos intelectuais em países em desenvolvimento. Esta rede também recebe doação de projetos e ideias com a finalidade de melhorar as condições de vida das comunidades mais despossuídas.

Com mais de mil arquitetos contratados, a ONG está permanentemente contratando novos profissionais e expandindo suas fronteiras. Neste momento tem vários projetos para a América Latina. No Brasil, trabalha no Capão Redondo, periferia de São Paulo.

Projetar e dirigir obras fazem parte do nosso dia a dia como arquitetos, mas poucos de nós conseguem levar nosso trabalho a comunidades carentes. Cameron Sinclair é uma grande inspiração.

* Arquiteta

Compartilhar
Esta entrada foi publicada em Artigos. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *